08/10/2019 10h35

População é convidada a participar de debate sobre implantação de Escola Cívico-Militar em Ibatiba

Hoje (8), acontece em Ibatiba, às 18 horas, na Escola David Gomes, uma audiência pública para dialogar sobre a implantação de Escola Cívico- Militar no município. O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares foi lançado pelo Governo Federal em setembro e o momento agora é de estados e municípios aderirem à iniciativa.

O Governo Federal divulgou que está prevista a implementação de 216 colégios até 2023 – 54 por ano, a começar por 2020.

Modelo

De acordo com o MEC, a escola cívico-militar é um modelo desenvolvido para promover a melhoria na qualidade da educação básica do país, através de um ambiente de parcerias e de maior vínculo entre gestores, professores, militares, estudantes e até mesmo pais e responsáveis.

O modelo vai abranger as áreas didático-pedagógica, educacional e administrativa, sendo que apenas nesses dois últimos pontos haverá a participação dos militares.

Apoio militar – Em parceria com o MEC, o Ministério da Defesa vai destacar militares da reserva das Forças Armadas para trabalhar nas escolas com foco na disciplina e organização. A ideia é que eles sejam contratados por meio de processo seletivo. A duração mínima do serviço é de dois anos, prorrogável por até dez, podendo ser cancelado a qualquer tempo. Os profissionais vão receber 30% da remuneração que recebiam antes de se aposentar.

Os estados poderão ainda destinar policiais e bombeiros militares para apoiar a administração das escolas. Nesse caso, o MEC repassará a verba ao governo, que, em contrapartida, investirá na infraestrutura das unidades, com materiais escolares e pequenas reformas. Serão investidos R$ 54 milhões por ano, ou seja, R$ 1 milhão por escola. Desse montante sairá o pagamento dos militares da Defesa e a verba para os governos estaduais e DF que aderirem ao programa.

Capacitação – Para que militares e comunidade escolar possam se adaptar ao novo modelo, haverá treinamentos. Um plano de trabalho está em construção para ser colocado em prática antes do ano letivo de 2020.


Com informações do MEC